Thursday, June 21, 2018

Direitos Autorais e Propriedade Intelectual

Foi publicado nesta terça-feira (19), no Diário Oficial da União, decreto que modifica a estrutura do Ministério da Cultura (MinC), instituindo a Secretaria de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual. 

BRASÍLIA (DF) BRASIL - A pasta terá o papel de atuar como órgão regulador e fiscalizador, estabelecendo as bases para que a política de proteção dos direitos autorais seja aprimorada e avance para outros campos da cultura, como o audiovisual, o teatro e as plataformas de conteúdo digital. A secretaria contará, ainda, com uma coordenação específica para o desenvolvimento de políticas e ações articuladas de combate à pirataria e ao tráfico de bens culturais.  

"Queremos dar a atenção, a dimensão e a abrangência que o tema merece. A nova secretaria terá envergadura suficiente para atuar na adoção de medidas educativas, repressivas e também no estabelecimento de um diálogo saudável entre poder público e iniciativa privada. Também será responsável por enfrentar desafios urgentes, como o combate à pirataria e ao tráfico de bens culturais˜, disse o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. 

Estrutura

A nova secretaria é composta por dois departamentos: o de Política Regulatória e o de Acompanhamento, Registro e Fiscalização. Cada um terá duas coordenações gerais. O Departamento de Política Regulatória será composto pela Coordenação Geral de Regulação, Negociações Internacionais e Análise Normativa e pela Coordenação Geral de Difusão e Promoção. Já o Departamento de Acompanhamento, Registro e Fiscalização terá as Coordenações de Registro e Habilitação, e de Fiscalização e Combate à Pirataria e Tráfico de Bens Culturais. 

Direitos autorais 

A partir da nova secretaria, o Ministério poderá apoiar e estimular o desenvolvimento de modelos de arrecadação de direitos autorais em outras áreas da cultura. Um dos grandes desafios é a defesa da propriedade intelectual no ambiente digital, especialmente nas plataformas de streaming, que carece de regulação específica. A pasta também terá a função de estimular o desenvolvimento de novos modelos de negócios, que rentabilizem efetivamente os criadores intelectuais e apresentem melhores condições de oferta e preço competitivo ao consumidor, desestimulando a pirataria por novos meios de oferta.

Wednesday, June 20, 2018

49ª edição do Festival de Inverno

49ª edição, Festival de Inverno tem ampla programação além de bolsas 

Entre os dias de 30 de junho e 29 de julho, serão diversos concertos em palcos da cidade de Campos do Jordão e da capital paulista

Uma das principais atrações da estação mais fria do ano, o Festival de Inverno de Campos de Jordão chega a sua 49ª edição repetindo a vasta programação cultural que marcou as edições passadas. De de 30 de junho a 29 de julho, serão diversos concertos em Campos do Jordão e na capital paulista, além de vagas para  até 200 bolsistas no núcleo pedagógico (Sala São Paulo).

As apresentações acontecem nos palcos da cidade de Campos do Jordão – Auditório Claudio Santoro, Praça do Capivari, Capela do Palácio Boa Vista e Igreja de Santa Terezinha – e na capital paulista, na Sala São Paulo e Sala do Coro.

Abertura oficial e concertos da OSESP

A abertura oficial do 49º Festival de Inverno de Campos do Jordão será no sábado, dia dia 30 de junho, no Auditório Claudio Santoro, com um concerto da Osesp sob a regência de sua diretora musical e regente titular Marin Alsop.

Bolsas

O Festival oferece até 200 bolsas de estudo no total (sendo 126 integrais e 74 parciais), distribuídas em Orquestra: 120; Camerata: 50; Piano: 12; Violão: 12; Regência: 6. Os alunos com bolsa integral terão hospedagem, transporte e alimentação totalmente subsidiados pelo evento. A definição de bolsa integral ou parcial se dará mediante classificação.

Friday, June 15, 2018

Homenagem ao "Pai do Cordel"

Sesc Tijuca (RJ), inaugura exposição Cordel e Cantadores - Brasil, a República do Cordel


O evento integra as celebrações pelos 100 anos de falecimento do poeta Leandro Gomes de Barros (1865-1918), considerado um dos patronos da literatura de cordel, sendo o primeiro a montar uma estratégia de distribuição nacional. Durante a cerimônia, Sá Leitão vai receber do presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), Gonçalo Ferreira da Silva, a medalha Leandro Gomes de Barros, maior honraria da instituição. 


A mostra apresenta a história do cordel e da arte de xilogravura, dois importantes destaques da cultura nordestina. O público terá acesso a uma coleção com cordéis de Leandro Gomes de Barros, obras que até os dias de hoje são reeditadas e estão entre as mais vendidas do gênero em todo o território nacional. Os itens estarão expostos em ambiente que levará os visitantes a uma viagem ao nordeste. Um boneco com a imagem de Leandro Gomes de Barros, confeccionado pelo artista plástico Pedro Ferreira, dará as boas-vindas aos visitantes. 

A abertura da exposição marca também a inauguração da Cordelteca do Sesc Tijuca, que ganhou o nome do presidente da ABLC: Gonçalo Ferreira da Silva. Trata-se da 27ª cordelteca chancelada pela academia no País e a 4ª no estado do Rio de Janeiro. O espaço, que fica dentro da biblioteca da unidade, é inaugurado em um momento importante para essa manifestação artística: a literatura de cordel podeser reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Imaterial Brasileiro. 

A exposição Cordel e Cantadores - Brasil, a República do Cordel fica em exibição no Sesc Tijuca até o dia 17 de agosto. Depois, parte para o Sesc Campos, no norte do estado, onde fica entre 5 de setembro e 31 de outubro. O Sesc Nova Iguaçu recebe a mostra de 10 de novembro a 30 de dezembro.

Serviço
Abertura da exposição Cordel e Cantadores - Brasil, a República do Cordel
Abertura da Cordelteca Gonçalo Ferreira da Silva
Dia 15/6/2018 – 18h
Sesc Tijuca: R. Barão de Mesquita, 539
Entrada franca
Visitação à exposição: Terça a sexta-feira (das 9h às 21h) e sábados, domingos e feriados (das 9h30 às 17h30). Até 17 de agosto.
Funcionamento da cordelteca: Terça a sexta-feira (das 12h às 20h30) e sábados (das 9h às 18h)
 




Tuesday, June 12, 2018

MON: oficinas e visitas mediadas quarta e no domingo

O Museu Oscar Niemeyer (MON) convida o público a participar da programação especial desta semana, na quarta e no domingo, dias 13 e 17 de junho.
Foto: Leonardo Finotti

Na quarta gratuita (13) haverá uma oficina com o tema Monotipia, das 11h às 17h, na sala de Oficina, no subsolo. Às 16h, ocorre mediação pela exposição Seleta Crômica e Objetos, na sala 2. A exposição contempla 20 anos de produção do artista paranaense Tony Camargo. A mostra reúne pinturas, desenhos, fotografias, vídeos e objetos.

No domingo (17), a oficina ensinará a fazer máscaras em gesso, no mesmo horário e local, e a mediação, também às 16h, será pela mostra Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses, na sala 5, que reúne cerca de 200 peças de arte asiática, provenientes de mais de 10 países, como China, Japão, Índia, Paquistão, Butão, Irã, Afeganistão e Myanmar.

Toda a programação será conduzida pela equipe do Educativo. As atividades são livres para todas as idades e não têm custo. Para participar é necessário pagar apenas o ingresso do museu: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia-entrada). Às quartas-feiras a entrada é sempre gratuita para todos.

Serviço

Quarta, 13/06
Mediação na mostra Seleta Crômica e Objetos
Horário: 16h
Sala 2

Oficina livre Monotipia
Horário: 11h às 17h
Local: sala de oficinas (subsolo)

Domingo, 17/06
Mediação na mostra Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses
Horário: 16h
Local: sala 5

Oficina livre Locapala: máscaras em gesso
Horário: 11h às 17h
Local: sala de oficinas (subsolo)

Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999 – Curitiba
41 3350440

Wednesday, June 06, 2018

Eventos Casa de Rui Barbosa em junho

A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) apresenta neste mês de junho uma intensa programação de eventos gratuitos e abertos ao público para promover a troca de informações e reflexões sobre os mais diversos temas.
Reprodução Ivo Gonzalez

De segunda (4/6) a sábado (9/6), a FCRB promove, em parceria com o Arquivo Nacional, a 2ª Semana Nacional de Arquivos, cujo tema é Governança, Memória e Herança. As inscrições podem ser feitas pelo E-mail. A iniciativa é uma das ações previstas no Plano Setorial de Arquivos (2017-2027), elaborado pelo Colegiado Setorial de Arquivos do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) do Ministério da Cultura.  

Na quarta-feira (6), será realizada a conferência O Estado Novo e os arquivos, breves reflexões, que integra a série de palestras Memória & Informação. A historiadora e arquivista Renata Regina Gouvea Barbatho, servidora da FCRB, apresentará aspectos da arquivologia ao longo do Estado Novo (1937 - 1945), tanto em relação aos impactos sofridos pelas instituições frente às inovações propostas pela reforma administrativa para a racionalização da máquina estatal quanto em relação a suas contribuições na construção do projeto de nação estado-novista. A palestra será às 14h30, na sala de cursos da Fundação, com entrada franca.

Na quinta-feira (7), a FCRB promove, dentro da série Perspectivas em conservação preventiva, a palestra Preservação e transformação, ministrada pelo arquiteto e urbanista Washington Fajardo. A atividade será às 17h, na sala de cursos, com entrada franca. Ex-presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, o palestrante vai contar sua experiência na gestão do patrimônio cultural durante a preparação para as Olimpíadas no Rio de Janeiro. 

No dia 13 de junho, a fundação realiza o debate Junho de 2013: 5 anos depois, das 13h30 às 17h30, na sala de cursos. O bate-papo terá como debatedores Henrique Silveira, da Casa Fluminense e do movimento Nova Democracia, e Julio Aurélio, pesquisador da FCRB e autor do livro Viver em rede. Em pauta, o questionamento da qualidade da representação política em geral e de serviços públicos essenciais.

No dia 14, a FCRB promove, às 17h, com entrada franca, a palestra Jornalismo popular: uma história, ministrada por Marialva Barbosa (UFRJ/CNPq). O objetivo é discutir os processos históricos de constituição do jornalismo popular, com ênfase nas estratégias narrativas adotadas por esse tipo de jornalismo, que teve seu apogeu no século XX, voltado para tragédias e dramas do cotidiano. O evento integra a série Pensar a imprensa.